segunda-feira, 15 de outubro de 2012

.em evlaS



O que será feito dos aeroportos daqui há cem anos?
Não seja tolo
- O homem voa, mas continua caindo
iludido de que o constante progresso pode o proteger
de algo que ele depende
do próprio planeta em que vive;
Mas quem salvará o homem dele mesmo?
Cada dia mais cético e pragmático:
como se só houvessem amanhãs
como se em todas as sextas se criassem o fim
enquanto nas segundas, o começo se destruísse novamente
A engenhosidade de se viver para algum sentido
finito, estressado e exaustivo...
Foi esse o motivo que matou o inventor do calendário
- Não importa qual;
A intenção de eternidade parece tão infantil
quanto a de se matar algo em que não se acredita.




A.A>

Nenhum comentário:

Postar um comentário