sábado, 24 de setembro de 2011

Quando céu (?) e Quanto inferno (!)

A diferença entre o céu e o inferno é um olhar...

É também o sorriso, o cansaço, o cheiro e o choro,

Um aperto de mão e um simples ‘olá’.

Pode ser a vertigem que se tem quando se ri demais ou,

Aquele ‘frio na barriga’ causado pela apreensão.

É o alívio mental do dever cumprido ou,

As grades idealísticas de uma obrigação corrompida.

Todos os planos estão nessa trama,

Pois os nossos ‘sonhos reais’ infernizam.

E quando o sonho deixa de ser sonho – algo se perde,

Quando a vida deixa de ser vivida – tudo se perde,

Quando amores platônicos saem do ‘papel’ – a magia se perde.

Quando bocejos tomam conta do momento – o sono ganha o tempo,

Quando a fé te abandona – a incerteza te engana e te ganha,

E quando o quanto não importa mais:

Apenas o olhar, o sorriso, o cheiro, o toque...

Sucumbirá a real dimensão da derrota ou da vitória...

Fingindo ser uma escolha, de aparência simples:

Como se só houvesse os ‘sim’ e os ‘não’ para agraciar a indecisão.

{...}

Were you born to resist? Or be abused?





A.A>

Nenhum comentário:

Postar um comentário