terça-feira, 16 de novembro de 2010

Conto #3

"Olhando a fé à distância"

Houve quem disse uma vez que existirá a promessa de que crer será tão espontâneo quando vir a ver... Mas, a maneira como se vê, fará a diferença entre o ceticismo e a verdadeira fé. Não importará mais o que dizem, e sim, quem vos diz.

A verdade não existe (nunca vai existir), mas nem tudo é mentira.

***

-Eu só quero te salvar! - Disse o orgulho a mais uma alma perdida...
-Ainda tem jeito? - Disse Deus (cachimbando) - A verdade é que, a salvação é algo criado; A derrota é algo premeditado; O ódio é algo amado; O amor é safado.
O orgulho pensa, olha nos olhos de Deus e retruca:
-Não tinha pensado nisso...
Deus diz:
-Por isso eu sou Deus. Eu sei o que os humanos sentem, mas eles... eles não sabem o que realmente sentem: apenas teorizam sobre tudo. Um simples exemplo disso é o fato de eu saber que eles existam, enquanto eles me criam de diversas formas (algumas até bizarras) sem ter a certeza de que eu existo; apesar de eu fornecer inúmeras pistas sobre quem, o que e como eu sou. Se isso já não bastasse, a maioria dos humanos (indiferente da crença em mim) não acredita em si mesmo; não aceitam a essência.
O orgulho ri e diz:
-E mesmo assim, você é o criador que, teoricamente, está onipresente por causa dos rabiscos e das pistas; migalhas que deixou para que todos se auto-entendessem e descobrissem a vossa majestosa transcendência; acha mesmo que o seu trabalho está concluído? E se eles, hipoteticamente, um dia não mais acreditarem em você?
Deus faz uma careta e grita:
-SE ELES NÃO ACREDITAREM EM MIM, EU NÃO EXISTIREI MAIS!
Calmo como se fosse o ‘verdadeiro Deus’, o orgulho sussurra:
-Eu sou eterno, você não.

***

(O debate continua até que os 'calos da humanidade' se curem com o tempo. Realmente, existirá um grande vencedor nessa e muitas outras histórias, mas, provavelmente, não conheceremos nenhum).

A.A>

Nenhum comentário:

Postar um comentário