segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Sobre um provérbio antigo


Não importa o que dizem, mas sim quem diz...
Caso um dia, uma pobre alma desafortunada das riquezas materiais e livre da consciência estética e de beleza imposta como ‘padrão’ lhe diga o quanto valem as verdades sobre os sentimentos das diversas populações desse mundo – e quiçá de outros mundos e civilizações -, não há a menor dúvida de que seus ouvidos não ouvirão - se já não deixaram de ouvir; Pois muito mais vale a palavra do ignorante politizado que se molda conforme os padrões daquilo que é belo e consumível, fazendo jus ao pouco que sabe: “Seres humanos vivem para o prazer”. É assim que velhas morais continuam a se autorregulam e a se firmarem perante aos absurdos dessa humanidade patológica. Enquanto não houver anarquismo – o poder de falar e, mais ainda, de se ouvir a quem tem algo a dizer (não importa sobre quais vestígios, passagens ou imaginações) -, o desfecho para a criação humana continuará sendo premeditado: apocalíptico, no mínimo e como parece que o sempre foi. Quem sobreviver, em voga, retornará à condição de ermitão – tão solitário quanto os parentes do passado: modernos (tomados por chips e amigos virtuais), mas a diferença estará, enfim, na consciência e sabedoria acerca do que um dia foi a sociedade; presente nos olhares daqueles que habitam cavernas.



A.A>

Nenhum comentário:

Postar um comentário