terça-feira, 30 de agosto de 2011

Sinceridade

Tragédias sucumbem de maneira bela e insana

O pesar do pensamento estranho

Enquanto toda a visão lúdica foge nos olhos do horizonte

Refugiadas as verdades se encontram

... Sozinhas, em desespero

... Premeditadas, partes de um inteiro

... Sem mapas, rumo ao infinito

... As ideias morrem com a versão residida

... O pó é o pão que alimenta o chão derradeiro

São as causas que incomodam...

A falta de sinceridade

Excedidas pelas tentativas de direção...

Almas perdidas querendo perfeição

... A culpa finge que some

... Mas os erros jamais morrem

... Esvaem-se quaisquer justificativas

... As luzes que guiam o caminho se apagam

- E é nessa hora que o tempo se perde...

Exato como à procura mal sucedida


A.A>

Nenhum comentário:

Postar um comentário