sexta-feira, 15 de julho de 2011

A cada dia

Antes não é depois nem mesmo agora

Eu deixo de ser racional, te conto um segredo...

Não vejo o mundo como ele é de verdade;

O que me mantém longe da insanidade é a descrença;

Sou o culpado por esse presente de aparência.

Pequei, por só te contar quem eu sou.

(A cada dia)

Enquanto percebo seus olhos repudiarem

O bem do coração a se acelerar em tuas sinas...

Enxergo contragosto, quando do tempo está correndo;

Para mim não é preciso explicar o que ocorre;

São as sensações mundanas, você não discorre.

Eu me lembro bem do quanto eu era passional.


A.A>

Nenhum comentário:

Postar um comentário